537801 - Capitão América 161
537801 - Capitão América 161
537801 - Capitão América 161
537801 - Capitão América 161
×
537801 - Capitão América 161
×
537801 - Capitão América 161
×
537801 - Capitão América 161
×
537801 - Capitão América 161
537801 - Capitão América 161
537801 - Capitão América 161
537801 - Capitão América 161
537801 - Capitão América 161
537801 - Capitão América 161
R$ 10,90
2× de R$ 5,45 sem juros
vezesparcelatotal
sem jurosR$ 10,90R$ 10,90
sem jurosR$ 5,45R$ 10,90
Você poderá escolher o número de parcelas ao concluir a compra.

* Isto é uma simulação, verifique o valor final das parcelas no intermediador de pagamentos.

vezesparcelatotal
sem jurosR$ 10,90R$ 10,90
sem jurosR$ 5,45R$ 10,90
Você poderá escolher o número de parcelas ao concluir a compra.

* Isto é uma simulação, verifique o valor final das parcelas no intermediador de pagamentos.

vezesparcelatotal
sem jurosR$ 10,90R$ 10,90
sem jurosR$ 5,45R$ 10,90
Você poderá escolher o número de parcelas ao concluir a compra.

* Isto é uma simulação, verifique o valor final das parcelas no intermediador de pagamentos.

Adicionar ao Carrinho
Por incrível que pareça, há quem ainda ache que o Capitão América é um símbolo do imperialismo americano. Engano de quem não lê suas histórias, óbvio. Não é porque o personagem veste a bandeira dos Estados Unidos como uniforme, que ele vá ser um mero agente de interesse governamental. O personagem, apesar de ter sido criado em um ambiente militar, responde aos anseios do povo americano, que muitas vezes espera, exige e questiona as decisões e rumos que seu próprio governo lhe dá. E não são poucas às vezes em que o herói bateu de frente com as decisões de seus superiores, em algumas até mesmo se tornando uma espécie de inimigo público... situação complicada, já que esperavam que ele fosse o símbolo, o elo entre governo e povo. Historicamente, o personagem serviu de alter ego de seus respectivos autores para questionarem os governantes. Nesse sentido, discreta ou diretamente, foi um agente de questionamento por todos os governantes que passaram pela Casa Branca desde sua criação.

O Capitão América foi criado por Joe Simon e Jack Kirby, em 1941, para a revista Captain America Comics n° 1, pela editora Timely Comics (que se tornaria a Marvel, no futuro). O personagem era um supersoldado patriótico (porém, já com sua aura de autocrítica, em muitas situações) que lutava contra as forças do Eixo na Segunda Guerra Mundial, sendo o carro chefe da editora durante esse período. Essa popularidade durou até os anos 1950, quando sua revista foi cancelada (tendo um breve retorno por volta de 1953). Quando a editora se renovou, já como Marvel, nos anos 1960, apresentando um universo com novos personagens que fazem sucesso até os dias de hoje, o herói foi trazido de volta e reinserido nesse ambiente.

Nessa edição de Capitão América, Steve Rogers se encontrava em uma dessas situações de embate com o próprio governo, quando foi destituído do "cargo" de Capitão América e passou a agir independente com a identidade de Capitão (em uma versão "enlutada" de seu uniforme). Nessa época, o próprio governo passou o uniforme clássico para o psicótico John Walker, em uma trama de conspiração que ia além dos mais altos cargos políticos, sendo manipulada pelo seu pior inimigo o tempo todo. Aqui temos o desfecho desse período negro na carreira do herói, onde finalmente é revelado o insidioso plano para desmoralizar não só ao que ele representava, mas também aos valores que defendia.

Com as histórias de:

- Vingadores ( escrita por Walt Simonson, desenhada por John Buscema )
- Capitão América ( escrita por Mark Gruenwald, desenhada por Kieron Dwyer )

Data de publicação: Outubro de 1992

100 páginas

Formato 13,5 x 19cm